Conheça os homenageados do Santos Film Fest

O Santos Film Fest tem, entre seus objetivos, refletir o cinema, usá-lo como ferramenta de transformação, e valorizar a história. Não temos o caráter competitivo. Mas nos permitimos homenagear três profissionais que contribuem, há décadas, para a difusão da sétima arte em Santos. Fica o convite para nessa sexta, 4 de novembro, 21h30, vocês divida conosco esse momento. A homenagem tem apoio da Unimonte. Logo após, será exibido o clássico “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, que completa 40 anos em 2016.

Raquel Pellegrini

raquel-pellegriniAs trajetórias de Raquel Cristina Pellegrini Almeida e do audiovisual santista se confundem. Se atualmente temos um setor articulado e diversos projetos em andamento, muito se deve ao talento, competência e esforço dessa santista moradora do Boqueirão. Raquel participou do movimento teatral de Santos, de 1983 até 1991, atuando com grandes nomes do setor como Roberto Villani, Márcio de Souza, Luiz Mário Vicente e Cláudio Fernandes. Na faculdade, começou a trabalhar na rádio 95 FM e o teatro tornou-se uma importante lembrança. Na pioneira TV Litoral,  começou sua carreira na televisão. Foi nada menos que a primeira repórter da história da TV regional da Baixada Santista. Passou pela TV Brasil, na época afiliada do SBT; TV Mar, antiga Manchete, e não parou mais. Dirigiu vários programas de TV, documentários, curtas, é profissional fundamental no crescimento do Curta Santos, além de ter sua própria produtora. Seu longa-metragem, A Laje dos Sonhos, é um belíssimo retrato da laje de Santos e levou quatro prêmios no Festival da Amazônia, incluindo direção e roteiro, assinados por ela. Ajudou a formar centenas de alunos. Inicialmente em rádio e TV, curso que depois ganhou a chancela de Cinema na Unimonte. Em 2013 tornou-se coordenadora dos cinemas municipais de Santos, contribuindo para as reformas do MISS, do Cine Arte, a construção do Cine ZN, na Zona Noroeste, entre outras iniciativas que hoje fazem Santos ser a única cidade do país com o selo de cidade criativa em cinema do Brasil. Por tudo isso e muito mais que o Santos Film Fest homenageia a cineasta, professora e produtora Raquel Pellegrini.

Toninho Campos

toninhositeAntonio Campos Neto, o Toninho, é figura ímpar da cultura santista. Graças a ele e sua casa noturna Heavy Metal, os santistas puderam ver, no início dos anos 80, shows de bandas como Paralamas do Sucesso, Titãs, Gang 90, e muitas outras. No Caiçara Clube, realizou, entre tantos, shows da legião Urbana e o último do Barão Vermelho com Cazuza. Talvez nem todos saibam, mas foi surfista, apelidado de Tartaruga e querido por dezenas de amigos que ajudaram a construir o esporte das ondas em Santos. Mas é no cinema em que sua vida tem sido dedicada. Seu avô, Antonio Campos Junior, fundou o Cine Roxy em 1934, inspirado no cinema homônimo de Nova York. Seu pai, Francisco, manteve a força e a tradição do cinema. E, mesmo com a chegada dos multiplex, Toninho não apenas manteve vivo o Cine Roxy, o último da era de ouro dos cinemas de bairros da cidade, como o reformulou, expandiu e o transformou num dos mais queridos entre distribuidores, produtores e cineastas do país. Sede de pré-estreias com presenças de grandes diretores e atores. Mantém unidades em Santos, São Vicente e Cubatão. Esses dois últimos municípios, por sinal, não tinham um cinema por muitos anos até a chegada do Roxy. Não à toa, a festa de 80 anos do Cine Roxy foi uma noite inesquecível: reuniu artistas, representantes dos principais estúdios de cinema, vindos de todas as partes do país. Empreendedor, inovador, apaixonado, fã do clássico Doutor Fantástico, de Stanley Kubrick, Toninho é marido, pai e avô dedicado. Um sujeito querido por seus colaboradores, parceiros. Recebeu o importante prêmio Ed, em 2013, na categoria Exibição – Destaque Profissional de Programação. E promete continuar surpreendendo os amantes da sétima arte na região. Vida e carreira que merecem a admiração do Santos Film Fest.

Waldemar Lopes

palestra-2013-no-roxy-patio-iporanga-1Waldemar Lopes dos Santos, formado em Engenharia Mecânica, artista plástico, professor, cinéfilo e crítico de cinema santista. Há 22 anos deu início à Palestra do Oscar. Realizada inicialmente como parte do curso de inglês da Open House Idiomas, escola que dirige no Boqueirão ao lado de outros sócios. Lá ocorreu até 1997. O projeto cresceu, passou pela livraria Martins Fontes, Associação dos Médicos de Santos e, em 2012, veio o convite para levar a iniciativa à sala de cinema do Cine Roxy e aqui continua. Nessas duas décadas, a palestra arrecadou dezenas de toneladas de alimentos não perecíveis, ajudando diversas instituições da cidade. E milhares de pessoas puderam se informar, se divertir e se encantar com todo o conhecimento e carisma desse homem de diversos talentos celebrado hoje pelo Santos Flm Fest. Com sua arte, aliás, não se cansa de homenagear Santos. Começou aos 11 anos com um retrato de  Sean Connery, em lápis de cor. A obra encantou seus pais e apoio familiar resultou num dos principais artistas plásticos da região.  Participou do Salão de Arte Jovem do CCBEU, quando ganhou  medalha de honra ao mérito do júri presidido por Armando Sendin, Semana de Arte Brasileira em Portugal, coletivas na Vasp Art Gallery, Los Angeles, no Tênis Clube de Santos, Casa Natal de Santos, individuais na Associação dos Médicos de Santos e minha tela, “Café”, está exposta em Friele, Bergen , Noruega. Recentemente realizou as exposições Made in Santos, Viva Santos e prepara a Primavera em Santos, que estreia semana que vem. É conhecido como fã número um de Julie Andrews e Sonia Braga (foi consultor da homenagem à atriz brasileira em Gramado), mas possui vasto conhecimento sobre cinema. Que pode ser conferido em suas colaborações para o site CineZen Cultural e em encontros que participa eventualmente.

Empresas realizadoras, apoiadoras e parceiras do Santos Film Fest